Opinião

OPINIÃO - CDS-PP | Que POLIS queremos

Esta semana, um artigo de opinião do CDS-PP, assinado por Patrícia Pinto Figueira, Membro da Assembleia Municipal de Alcochete

Autores
Foto
  • DR

Categoria
  • Opinião

Tópicos

Volvidos quase 40 anos de poder local democrático, assinalando-se no próximo dia 12 o quadragésimo aniversário do primeiro acto eleitoral autárquico, no qual se verificou um enorme acto de envolvimento político e de empenhamento na vida colectiva, em que Mulheres e Homens, então eleitos, impulsionaram de forma determinante aquilo que é hoje o Poder Local democrático, mais do que enbandeirar em arco, é necessário reflectir, de forma séria e rigorosa, acerca do modelo em que queremos que este se transforme.

 

As eleições para o Poder Local, quer pelo número de candidatos que mobilizaram, quer pela proximidade às populações e a sua capacidade para resolver os seus problemas mais imediatos ganharam uma importância acrescida.

 

Mas se é certo que à data os autarcas tudo queriam resolver às suas populações, hoje as autarquias caminham para uma tecnocracia exagerada, cada vez mais distante da realidade das comunidades em que se integram. E em grande parte dos casos, de forma voluntária!

Não podemos desistir do Poder Local!

 

A proximidade que existe e o conhecimento que os cidadãos têm acerca das decisões e dos intervenientes no espaço público tornam os governos locais muito mais eficazes do que qualquer outro nível da Administração.

 

E não desistir do poder local é lançar mão de todas as ferramentas que estejam ao nosso alcance para que a nossa missão não se esgote num mandato. Tirando partido da proximidade com Autarquias que nos possam ajudar, pois quanto melhor for a capacidade de negociação e articulação das autarquias com as suas congéneres vizinhas, melhores planos estratégicos de desenvolvimento serão apresentados para a região que representamos.

 

Apostando na definição de zonas de desenvolvimento industrial, através do compromisso de atrair investimento que crie emprego, bem como na elaboração de planos estratégicos para o comércio local, articulando com os politécnicos da região em interligação com os meios empresariais e institucionais, em torno de agências locais de desenvolvimento, para articulação de sinergias, com vista à optimização de recursos e resultados, envolvendo os cidadãos, as empresas e as associações na gestão do Município, através de orçamentos participativos, preconizando uma visão estratégica e concertada com todos os agentes económicos locais, adoptando medidas de modernização da gestão autárquica, tendentes à redução de custos, implementando políticas tendentes a uma maior eficiência no que tange à organização do território, preconizando uma maior ligação e articulação entre as colectividades e as diversas instituições ligadas às crianças e aos jovens, proporcionando uma maior abertura do ensino à via profissionalizante, através da realização de protocolos com  colectivdades que possibilitem aos jovens tomar contacto com as tradições da sua terra, enriquecendo-os desta forma, sem deixar que estas se percam com o tempo.

 

Tempo… que parece tão escasso, mas que bem aproveitado e rentabilizado faz a diferença na vida de quem em nós confia!

 

Patrícia Pinto Figueira

Membro da Assembleia Municipal de Alcochete

Adicionar Comentário