Ao molho e Fé em Deus...

O oportunismo dos jornaleiros e dos políticos

Ultimamente ando a ver algum oportunismo de alguns media que são autênticos órgãos de comunicação das autarquias locais e que servem só o interesse dos autarcas que não querem ou não podem gastar milhares em boletins da sua própria casa e vão aproveitando-se das “lambidelas” que alguns jornaleiros lhes vão dando nos pés

Autores
Foto
  • Ricardo Campus

Categoria
  • Insólitos

Podia começar este meu artigo de opinião como todos outros, mas como gosto de ser diferente, começo por...

 

ERA UMA VEZ

 

Numa terra longínqua havia um comendador que gostava de se mostrar ao mundo com o seu ar de pavão emproado, mas que certo dia pensou em “comprar” um pequeno caderno de propaganda, para mostrar a todos os seus mais belos e reais prazeres de governação...

 

Podia continuar esta história que muitas vezes é real e que alguns que andam por aí a pregoar que são jornalistas, não passam de jornaleiros de péssima categoria, metaforicamente falando. Ora vejamos, para se ser jornalista é preciso informar e de estar informado, para que depois nas suas peças jornalísticas possa sair um trabalho em que é reconhecido pela classe e o mais importante é, captar o interesse do público em geral.

 

Todos os dias pego em jornais locais, que se pensa serem jornais de mais proximidade das populações, diferentes dos nacionais, mas de diferente só tem o nome, pois alguns são autênticos boletins municipais. O leitor quando começa a ler um desses pequenos jornais, pois de grande só no tamanho, começa a perceber o jogo de interesses que aquele órgão de comunicação social, seja ele diário, trissemanário ou mesmo semanário tem para a política local.

 

Com as medidas de austeridade que o nosso País passou, todos sabemos que os dinheiros públicos em parte são controlados, e que as autarquias não se podem exceder nas tradicionais publicações que tinham, mas também existe outro fator, pois a autarquia não se substitui a um tradicional jornal que por vezes terá uma tiragem de 10 000 exemplares – alguns, nem todos – e que tem o seu leitor assíduo.

 

O jogo de oportunismos começa quando um autarca aposta em certo ponto num qualquer “cavalo de corrida” e depois a certo modo começa a ser ele o próprio a controlar todas as peças que vão sair nessa mesma semana. Quem está a ler neste momento o meu artigo poderá pensar – “como é possível o autarca controlar as peças que possam sair ou não na edição” – muito simples, aposta na publicidade a fim de controlar tudo que possa sair menos positivamente nesses órgãos de comunicação social, aqui está o oportunismo da “coisa”, onde o autarca controla e o jornaleiro vai dando noticias ao sabor de ventos favoráveis.

 

Mas nem todos os media são compráveis, e quando não o são, o problema instala-se em absoluto... Tenho um caso simples, há uma semana atrás quando falava com um amigo meu que é um dos responsáveis de uma publicação de informação, ele estava muito arreliado, pois o departamento comercial desse media tinha sido contactado por uma empresa que por sinal tem no seu conselho de administração, pessoas que são autarcas, e que lhes solicitaram preços para publicitar um evento que iria decorrer a poucos dias.

 

A história prolongou-se e por fim teve que ser o departamento comercial desse media a entrar em contacto para saber se haveria contrato ou não. Ora veio a saber que tinha perdido o contrato com outra empresa concorrente. Claro que o media dele não é vendável a certos “favores políticos” e tem noticiado assuntos que não tem agradado a alguns políticos que não gostam de ver plasmado certos assuntos em público, a resposta da empresa foi que esse órgão de comunicação social não teria sido escolhido pelos membros de administração.

 

Moral da história, para alguns políticos de trazer a “tiracol” mais vale ser engraçado do que cair em graça, porque o que importa não é o interesse da opinião pública para esses autarcas e políticos, mas sim os media acolherem as coisas boas e esconderem debaixo do tapete as menos positivas.

 

Assim vão as parcerias entre os media e os políticos...

Adicionar Comentário