PROTEÇÃO CIVIL

SEGURANÇA - GNR destacará operacionais para incêndios

Guarda portuguesa celebrou 107.º aniversário e garantiu apoio humano no terreno assim que segurança de meios e viaturas esteja garantida: 500 para a GIPS, 100 para a SEPNA.

Autores
Foto
  • Diário Imagem

Localidade
  • Lisboa

No 107.º aniversário da Guarda Nacional Republicana (GNR) foi dada a garantia de alocação de operacionais para uma eventual ajuda a catástrofes naturais que possam decorrer no país, ainda que antes se tenha de confirmar a capacidade dos meios de apoio. “Quero afirmar o compromisso da Guarda no que respeita ao reforço do Grupo de Intervenção Proteção e Socorro [GIPS] e do SEPNA [Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente]. O seu empenho operacional só se efetivará assim que garantidas as condições de segurança necessárias, com equipamentos e viaturas que se encontram em processo de aquisição”, apontou o tenente-general Manuel Mateus Couto, indicando depois que, a partir de 15 de maio, 500 militares estarão disponíveis para o GIPS e 100 para o SEPNA.
 
A comemoração, decorrida na Praça do Império, em frente ao Mosteiro dos Jerónimos (Belém) foi presidida pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. O responsável pela pasta havia destacado na véspera a “experiência e notáveis capacidades” do novo comando nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil [ANPC], o coronel José Manuel Duarte Costa, designado na segunda-feira como substituto de António Paixão, que esteve no cargo cinco meses.
 
Eduardo Cabrita corroborou a informação hoje dada pela GNR, destacando os meios de combate aos incêndios e o acréscimo nos operacionais. "Pela primeira vez, teremos um dispositivo que ultrapassa o patamar dos 10 mil elementos", realçando "a capacidade de reforço de meios nas áreas de maior risco", bem como a disponibilidade de mais meios aéreos durante todo o ano. Recorde-se que na semana passada, o presidente da ANPC informou estarem adjudicados 42 meios aéreos para combater incêndios, faltando oito helicópteros ligeiros e três pesados para substituir os Kamov.

Também a Câmara Municipal de Lisboa investiu no passado mês em 12 viaturas (ver foto), valor que ultrapassou os 2 milhões de euros, mostrando abertura para que também os bombeiros sapadores da capital pudessem prestar auxílio nas zonas mais afetadas. 

Adicionar Comentário