Opinião

OPINIÃO – A Ilusão e Incapacidade

Esta semana um artigo de opinião de Bruno Ribeiro Barata, eleito pelo PS na Assembleia Municipal do Seixal.

Autores
Foto
  • DR

Localidade
  • Seixal

Categoria
  • Opinião

Quando comecei a estudar o Relatório e Contas de 2017 da Câmara Municipal do Seixal fiquei desde logo perplexo com o primeiro parágrafo, de repente pensei que eu e o senhor presidente da Câmara não vivíamos no mesmo país.

 

Se por lado, refere e bem a importância da interrupção da obra destruidora que estava em curso pelo governo de direita, vem logo de seguida referir o carácter limitado e insuficiente da situação atual, pedindo para se avançar para uma verdadeira política que assegure o investimento, o aumento da produção nacional e a criação de emprego.

 
É efetivamente necessária muita ousadia demagógica para começar assim.
Sou obrigado, a relembrar o senhor Presidente da Câmara:
1. A retoma do investimento  na  economia  tem  apresentado  uma  evolução  consistente,  evidenciada  por crescimentos  expressivos há  vários  trimestres  consecutivos.  O investimento público, em particular, demonstrou em  2017 uma evolução muito  positiva,  tendo  registado  um crescimento  de  25%.
No concelho do Seixal importa destacar os investimentos, que já iniciaram ou se encontra em fase de projeto, deste Governo: Hospital do Seixal, Novo Centro de Saúde de Corroios, Realojamento dos habitantes do Bairro da Jamaica, Loja do Cidadão, Requalificação da Escola de João de Barros, Descontaminação dos terrenos da Siderurgia Nacional e nova Divisão Policial da PSP. Tudo isto no concelho do Seixal feito pelo Governo Socialista que supera o 100 milhões de euros.
 
2. Sobre o crescimento importa referir que, em 2017, a economia portuguesa registou um crescimento real de 2,7%, o mais alto desde o ano 2000, superior  ao crescimento  na  área  do  euro  (2,3%),  acima  do valor  projetado  no OE 2018  (2,6%) e acima das previsões de várias instituições nacionais e internacionais.
 
3. No que respeita à criação de emprego relembro ao Sr. Presidente que a taxa de desemprego em Portugal diminuiu pelo quarto ano consecutivo, tendo-se situado em 8,9% em 2017, a taxa mais baixa desde 2008 e inferior à registada na área do euro.
 
Não se tratam de considerações políticas são factos – não alternativos – que evidenciam o sucesso deste Governo e que contradizem as demagogias e ilusões do senhor presidente da Câmara.
 
A gestão da Câmara Municipal do Seixal, conforme evidencia o Relatório de Contas de 2017, tem sido apenas centrada na gestão das dívidas que a própria Câmara Municipal e mesmo executivo, contraiu.
 
Permitam-me a comparação, mas esta gestão, com a obsessão da dívida, faz-me lembrar a troika e o ministro Vítor Gaspar.
Se por um lado, e no âmbito nacional, o Partido Comunista Português, defende que a dívida pública não é para pagar, mas para renegociar, ou até, sair do euro para limpar as dívidas. Por outro lado, temos um Presidente da Câmara do Partido Comunista Português que vive obcecado com pagamento da dívida.
 
Estamos perante uma forte contradição ideológica, ou seja, neste caso das 2 …. 1
Ou temos um Presidente desalinhado ideologicamente e que no fundo é um neoliberal monetarista, ou temos … um Partido Comunista que se posiciona ideologicamente conforme dá jeito.
 
No Relatório de Contas de 2017 verifica-se um acréscimo da receita de 2016 para 2017 em 4,4% fruto sem dúvida dos excelentes indicadores de recuperação económica do país, no entanto, verificamos com preocupação a incapacidade do executivo em fazer cumprir o orçamento no lado da despesa.
 
Passo a explicar: A taxa de execução da despesa foi de apenas 86% e este valor inclui as despesas com o pessoal, que são vencimentos logo corresponde a despesa fixa.
Se tirarmos a componente dos vencimentos da análise a taxa de execução desce para 81%, ou seja ficou por executar 1 / 5 do orçamento.
 
Mais preocupante ainda é a incapacidade do executivo em investir, ou seja, as Aquisições de Bens de Capital tiveram a escassa execução de 65%, o que significa que ficou por investir mais de 1/3 do orçamento no valor de quase 6 Milhões de euros que não foram colocados ao serviço da nossa população!
 
A gestão da Câmara Municipal em 2017 assentou em 3 pilares: Obsessão da Dívida contraída pelo também executivo Comunista; Incapacidade de realizar Investimento e mais Receita Própria fruto da recuperação económica que o país atravessa.
 
O Partido Socialista não partilha a visão pouco ambiciosa que o Partido Comunista Português tem para o nosso Concelho.
O Partido Socialista tem uma visão para o concelho assente no investimento que permita criar desenvolvimento económico, + emprego, + investimento privado, + inovação, com + direitos para os trabalhadores, + formação, + capacitação, + qualidade no sistema educativo, + juventude, + turismo, + ambiente, + espaços verdes, + democracia, + participação
+ e + futuro.
O Partido Socialista vai fazer… fazer mais e melhor pelo concelho do Seixal.
Adicionar Comentário