Transportes

BARREIRO – Utentes aprovam moção com exigências ao Grupo Transtejo e Governo

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Barreiro organizou esta manhã uma tribuna pública no terminal fluvial do Barreiro relativa ao grupo Transtejo, na qual aprovou uma moção exigindo a melhoria dos serviços da empresa.

Autores
Foto
  • Carmo Torres / Diário Imagem

Localidade
  • Barreiro

Categoria
  • Sociedade

Tópicos

A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Barreiro aprovou esta manhã uma moção na qual exigem ao grupo Transtejo: «serem ressarcidos dos valores pagos pelo incumprimento da prestação de serviço que não está a ser garantido; o reforço de verbas no Orçamento de Estado que permitam a prestação de um serviço público de qualidade na Soflusa, Transtejo e restantes empresas Públicas de transportes; um plano de renovação de frota, com início imediato dos procedimentos sabendo-se que a aquisição de navios é uma situação que leva alguns anos e a manutenção do plano de investimento de manutenção da frota, remodelação e de limpeza de navios por forma a oferecer melhores condições aos utentes».

 

No documento, a CUSP relembra a Carta do Cliente do Grupo Transtejo, na qual esta assume os compromissos para «fornecer um serviço de qualidade e adequado às expetativas do cliente; ajustar a sua atividade às necessidades de mercado e implementar horários que respondam eficazmente à procura existente; manter elevados índices de regularidade do serviço, promovendo as ações possíveis para minimizar os transtornos causados por perturbações do Serviço, ou situações excecionais, seja por motivos decorrentes da própria operação, seja por motivos alheios ao Grupo Transtejo», o que não está a ser cumprido, sobretudo durante 2017.

 

Os utentes queixam-se de «não estarem a ser garantidos os serviços públicos pelo qual pagamos os nossos passes e bilhetes para a travessia do Tejo; não há quaisquer melhorias ao nível das carreiras e sua frequência, uma vez que o número de navios existentes é insuficiente para prestar o serviço desejado pelos utentes».

 

Outra preocupação demonstrada no documento é o facto de «as verbas previstas no Orçamento de Estado para 2018 serem inferiores ao orçamento do grupo Transtejo durante o ano de 2017, orçamento este, que a realidade demonstrou ser claramente insuficiente para um serviço público de qualidade».

Adicionar Comentário